Instante Decisivo

>> quarta-feira, outubro 29, 2008


Henri Cartier-Bresson, grande fotógrafo francês, gostava de fotografar com uma câmara Leica, com uma objetiva 50 mm. Um bom campo de visão, lentes cristalinas – as melhores que há – a praticidade do filme 35mm e o límpido visor telemétrico fazem dela uma câmara praticamente perfeita. Contudo, a escolha de Bresson tinha muito a ver também com aparência: a Leica é pequenina, tem um design simples, é uma câmara discreta. Com ela, ele podia sair pelo mundo e clicar sem ser notado, sem gerar frisson, interferindo o mínimo na cena, como era desejo dele.




O interessante nesta reflexão que Cartier-Bresson fez da fotografia é que ela vale para todos os setores da vida. As escolhas que fazemos, os caminhos que tomamos, as coisas que falamos podem mudar o curso de nossas histórias. São resultados irrevogáveis como as manchas que a luz provoca na prata do filme. A vida está repleta de instantes decisivos, impossíveis de se apagar. Devemos aproveitá-los, apreciá-los e refletir sobre eles o tempo todo. Contudo, como o próprio Bresson afirma, no ensaio, não podemos só pensar na composição, digo, nas conseqüências. Devemos deixar a intuição nos dizer o que fazer, para analisar tudo depois, com calma, no escuro do laboratório, ou melhor, na quietude de nossas mentes.


Essas fotos não são de Cartier, são exemplos de fotografia de Instantes Decisivos, o momento crucial, o climax da fotografia, o "momentum" mas precioso da composição, cujo termo foi o PRÓPRIO Cartier que criou para definir aquele milésimo de segundo paralizado tão significativo. Se alguém souber o autor dessas fotografias me informe que colocarei os créditos.

Essa é a obra de Henri Cartier. Esse ano é o Centenário do ano de seu nascimento.

Um instante decisivo é o que tenho na vida todos os dias. E a vida continua...

Henri Cartier Foundation

10 comentários:

Pedro Berocan 5:49 PM  

Igor,

Não sei muito da história da fotografia, por isto gostei muito do seu texto. Ao menos, já ouvi falar na Leica. As fotos são incríveis: adorei o menino abduzido.

Agora com a modernidade, as máquinas digitais perderam inicialmente o tempo de captura. Imagina quantos Instantes Decisivos foram perdidos?

Abraço

Andréa Motta 7:52 PM  

Gostei da lua pendurada no guindaste e do menino! Boa quinta!

Fernanda Pereira 12:44 AM  

"Meu instante decisivo, foi quando te fotografei com os olhos, e te revelei na minha cabeça"



PS:Concordo com o Pedro, as câmeras digitais deixam muito a desejar no tempo de captura...

Colombina 9:25 AM  

Trauma das minhas aulas de fotografia!!

Aliás....da minha professora de fotografia!!

rsrsrs...
Sim sim....acho super!
O instinto produz bons trabalhos. Acredito muito nisso!

*Renata 9:56 AM  

"Um instante decisivo é o que tenho na vida todos os dias."

Concordo plenamente. Por isso que acredito que às vezes devemos agir por instinto e deixar que os astros façam a mágica acontecer.

Amei a do guindaste!

Grande beijo!

Entre Trintas 12:38 PM  

Fabuloso!!!

Brinde-nos sempre com coisas assim, estou aqui babando e pensando nos meus minutos decisivos... e a vida continua...

Bjos n'alma,
Gisa

Danielle Lima 1:43 AM  

Muito foda esse fotógrafo!
Quero o CD, viu?
Resolvi voltar a blogar...he he he!

Beijo!

Mikasmi 11:10 AM  

Muito interessante.
As fotografias são belissimas

Sou nova nestas andanças.

Parabéns pela postagem
Abraço

viviane 2:24 PM  

se vc descobrir o autor dessas fotos, vc poderia me informar? to babando...

abç

drika 7:08 PM  

eu ia perguntar os autores das fotos...


preciso dizer q amei as referências? e a forma como vc falou do mestre?
to me apaixonando, quer casar comigo?
ehehehehe
beijão.