O Filme da Minha Vida Atrasado!

>> sábado, abril 04, 2009


Esse não seria muito bem o título, mas depois de quase um mes de ressaca do aniversário do Blog eu só consegui escrever hoje! Profissional de Vendas em tempos de Abalo Global pratica nas suas horas de folga seu esporte favorito atualmente: dormir. Não fui internado num hospital psiquiatrico! Passei a ultima semana revendo meus filmes mentais e cheguei a conclusão abaixo! Mesmo que O Filme, Minha Vida Atrasada, ainda esteja em cartaz! Boa Leitura.

---------------
Não existe contabilidade exata, nem dá para estipular uma média, 3000, 5000, sei lá, sei que vi MUITOS filmes nessa vida! Nunca cursei Cinema, nunca trabalhei em Locadora, nunca fiz parte de uma equipe de produção de um filme, sequer filmei alguma coisa, só fotografei. É puro Hobby! Em qualquer ocasião: já fui ao cinema no primeiro encontro e não dei um beijo porque o filme era foda, já marquei noitadas de "Festivais de Cinema" com amigos, já fiz sessão de Cinema em casa com 15 pessoas (um desastre porque ninguém calava a porra da boca), já fui a um barzinho show onde passaram um filme e a consciencia coletiva da mesa parou de falar para sentar mais próximo do telão para ver o filme, já encarei uma bateria de filmes cults desconhecidos (russos, iranianos, italianos e romenos) e nunca dormi tão bem, já passei mais de 24 horas assistindo filmes com os amigos, só levantando para ir ao banheiro, comer e pegar mais uma cerveja, já gastei 50 reais numa locação (Temporada Lost + 6 filmes. Vi tudo num fim de semana. É, eu não estava bem...), já virei madrugadas em festivais de cinema no Odeon BR, com musica techno trance nos intervalos e o cachorro quente do seu zé na porta do Odeon, esses e muitos outros causos fazem parte de quem acha cinema uma cachaça!

Existem centenas dentre os milhares que são significativos na minha vida, de fases da vida como pré-adolescencia (O Exorcista), fase adulta (Dogma) e atualmente (Wall-E), de diretores fantásticos (Kubrick a Almodovar, David Linch a Guilherme del Toro, Costa e Julie Gravas ao fantástico Tim Burton) de uma infinidade de atores e atrizes, brasileiros, americanos, italianos, franceses, austríacos, espanhóis e de outro planeta.

Não gosto de filmes de guerra. Afora uns 3 que eu tenha visto, o restou ou é americano demais ou é judeu demais.

Adoro comédia, principalmente as boas, principalmente as não-pastelão o que já elimina 90% das comédias. A que marcou a minha vida foi Obrigado por Fumar. As sobrecarregadas de sarcasmo e ironia britânica ou não, são as minhas favoritas! Snatch, Jogos, Trapaças e Dois Canos Fumegantes e Contos Proibidos do Marques de Sade estão entre meus inesquecíveis.

Sempre gostei de dramas, por mais polemicos que eles sejam (OldBoy), mas nunca fui muito das comédias romanticas previsíveis, prefiro os romanticos dramáticos (Brilho Eterno de uma Mente sem Lembranças) ou as Comédias Dramáticas Romanticas (O eterno Harry e Sally, feitos um para o outro).

Amo TODAS as animações da Pixar, algumas da DreamWorks. Wall-E é completamente significativo para mim, muito mais emocionante do que eu imaginaria. E isso são alguns dos muitos e se eu continuar é melhor mudar de blog.

Mas...de onde nasceu essa paixão? O que causou um impacto tão grande aqui dentro da cabeça e coração a ponto de se interessar tanto por filmes? Como alguém sai do automático consumidor de blockbuster a um fanático por filmes de todos os generos, movido pelo desejo de assistir, de se entregar a história, de particiopar daquele momento, movido pelo prazer de se entreter, inclusive pela curiosidade?

Ano de 1987. Tinha acabado de me mudar para Jacarepaguá, saí da Ilha do Governador, em janeiro e estava com 8 anos, minha irmã tinha 6. Eui já havia assistido alguns blockbusters recomendado para toda família, Indiana Jones, os Caça-Fantasmas, Superman, Os Goonies, Gremlins, E.T. o Extra-Terrestre e alguns poucos infantis como História Sem-Fim, um chamado O Labirinto (com David Bowie) alguns dos Trapalhões e a bosta de marca maior que me obrigaram a assistir, Super Xuxa contra Baixo Astral (quem não lembra daquela baba prateada?)
Depois de viver no automático cinematográfico (afinal eu já tinha 8 anos) achei que seria a hora de abusar da minha força de vontade e curiosidade infantil e desafiar a autoridade paternal e ver um filme...proibido para maior de 14 anos! Numa época que mal e porcamente existiam essas recomendações!

Houve uma época que a Globo exibia muitos filmes clássicos nas Madrugadas, de todos os generos, e nessa Madrugada, a que mudaria minha vida, eu fingi que durmia (afinal tinha escola no dia seguinte) para assistir esse filme e chamei minha irmã para assistir junto! (Pensou que fosse Porno?) Ela ainda relutou, choramingou (minha irmã é e continua sendo extremamente escandalosa. Quando era criança ela berrava mais), disse que tava com sono. Falei para ela deixar de ser mulherzinha, ou algo do gênero e disse que era filme da Xuxa. O argumento perfeito!

Uma e pouco da manhã, sono e Coca cola para mim e para ela, começa o filmaço das madrugadas de Terror:

A VOLTA DOS MORTOS VIVOS!

Tá bom poooooooooooooooode me esculachar a vontade que essa não é uma obra prima da sétima arte! Mas olha que delicia um filme desse tem: mulher pelada, punks, rock, zumbis, repleto de humor negro e muita ação! O que um garoto de 8 anos quer mais nessa vida?? Vibrei em cada momento e minha irmã dava um xiliques, uns ataquezinhos e o filme inteiro ficava eu vibrando e mandando ela calar a boca. Da"realidade" dos infectados aos zumbis que reclamam que dói estar morto, e comer miolos alivia a dor, tudo foi magistralmente orquestrado para me divertir, me sentia transgredindo as regras da casa e sorrindo de orelha a orelha!
Aquela cena é antológica dos zumbis comendo o cérebro dos paramédicos, depois eles falam no rádio, mandem mais médicos!
E para acabar com minha alegria, quando um dos contaminados diz o que ele come, ele grita:
MIOLOS VIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIVOOOOOOOOOOOOOOOOOOOSSSSS!

Minha irmã surtou, berrou altíssimo, deu um ataque de pelanca, pulou do sofá foi para o outro canto da sala chorando, se escondeu no chao! Meu pai e minha mãe acordaram desesperados para ver o que houve! Eu falei que tava vendo o filme e ela se cagou de medo! Meu pai me deu esporro por assistir um filme desses e pegou o cinto! Enquanto minha mae carregava a Iane no colo para cama, eu corria pela casa fugindo e gritando nãopainãopainãopainãopainãopainãopainãopai, até entrar na porrada! Mesmo com o rabo doendo de tanta cintada, minha vida nunca mais foi a mesma! Enquanto minha irmã tinha pesadelos que uma caveira corria atrás dela para fazer cosquinhas, eu sonhava que era um Morto-vivo que além de outras coisas, participava do Clipe Thriller do Michael Jackson! Imaginação de criança não tem limite!

Depois disso eu mergulhei no Gênero de Terror! Nunca tive medo, só ansiedade no máximo e adrenalina. Depois que veio o videocassete então, eu era o favorito da locadora, já aluguei filme TODO santo dia! E como fazia amizades e conchavos, aluguei tudo que era proibido para minha idade cronológica: O Exorcista, Poltergeist, O Iluminado, Brinquedo Assassino, Carrie, A profecia, Alien - O 8º passageiro, Cemitério Maldito, Tubarão, o fantástico A Morte do Demonio, e todos os clássicos de Splatter Movies, Sexta-Feira 13 e a Hora do Pesadelo! Esse é o efeito que a industria cinematográfica tenta resgatar dos anos 80, completamente impossível. Meus amigos falam de muitas brincadeiras e brinquedos que marcaram suas infancias. Acredite eu tb tive! Porém, meu fim de infancia e inicio de pré-aborrecencia foi marcado com a mais pura jam session de terror!Por exemplo, a mulecada da escola adorava o Bebeto do Flamengo. Eu não achava a menor graça! Ele não tinha garras de lâmina, não tinha poderes sobrenaturais nem entrava nos sonhos das pessoas para causar pesadelos como Fred Kruegger! E nenhum adulto entendia como um garoto conseguia assistir coisas que muitos deles não assistiam. Depois do Terror, eu só vivi fantasias, ação, drama, romance, comédia, e comecei a eleger os filmes que me emocionaram, que mudaram muitas vezes meu ponto de vista, que me fizeram chorar (n lembro qual foi o primeiro filme que chorei) e aqueles que me introduziram ao gênero cinematográfico (inclusive porno, Calígula foi o primeiro que vi).

Cinema para mim é isso, a essencia do que é transmitido em um unico fotograma, é luz - feixes luminosos projetados. E nós gostamos de luz. O encanto do sol está na luz, o dos diamantes está na luz, dos arco-íris, na luz. Quente, refletida, colorida. O cinema nos transmuta de iluminação para outra realidade iluminada, mesmo que ela seja cinza: a dos nossos sonhos, das nossas fantasias, de voar na ficção enquanto dura, hipnotizados, mas voltar ao chão, levando a nossa própria vida, com os nossos próprios recursos, em nosso próprio tempo e cidade, com a nossa própria cara e sobre os nossos próprios dois pés. De uma maneira muito mais sublime e gratificante desde o momento que as luzes apagaram e o brilho da tela começou. Desse momento em diante nunca mais paro de voar! ;-)

7 comentários:

Vanessa 8:40 PM  

Igor,

Ainda bem que você postou. Seu texto ficou muito bom, a coletiva perderia sem ele. Seu link está lá. Emprego é coisa muito séria, ainda mais na Era Obama, não se preocupe com o atraso.

Abraço e obrigada por participar

Andréa Motta 10:59 AM  

VOcê desaparece, mas quando volta escreve textos ótimos! Bom final de semana!

Fernanda Pereira 12:14 PM  

Aaaaaaai ai...

Como que pode né? A Iane continua uma chata de uma birrenta que adora estragar a diversão alheia...kkkkkkkkkkk

"nãopainãopainãopainãopai" foi em um post que tinha essa mesma fala que eu me apaixonei por vc...ahahahaha

EU tbem sinto todas essas coisas no cinema, todas e mais um pouco, com a vantagem de que passadas poucas semanas eu esqueço boa parte do filme, e tenho que ver de novo...ahahaha. Agora tenho vc pra me reconta-lo...

;)

PS: podemos alugar filmes de terror, mas vc assiste e eu durmo, vc segura minha mão?!

*Renata 11:30 AM  

Adorei o texto! E me surpreendi com essa da Volta dos Mortos Vivos. Mas, tb postei sobre os filmes que me conquistaram na infância e despertaram essa paixão sem fim pelos filmes.

Só vc mesmo pra sair da mesmice e dos textos simplistas!

Beijo!

Rosa 9:53 PM  

Adorei Preto!

Não melhor do que voltar e lê um texto, tão rico em detalhes.
Putz, ainda não consigo assistir filmes de terror, fico ansiosa e suada de tanto pavor.

Filmes da Xuxa, uhahahaa...Quem morou em Jacarepaguá quando pequeno, assistou a alguns desses clássicos (rs) no extinto Cinema que tinha na Praça Seca.

Danielle Lima 1:05 AM  

Ai, que medo desses filmes de terror! Taí uma coisa que divido com a Iane, hein...
Pensei que leria aqui o Bicho de 7 cabeças que sempre lembro de vc.
Também postei meus filmes e mudei um pouco mais o layout...:)
Vê se manda notícias!

Beijoca!

Anônimo 4:17 PM  

nego do meu coração...o que me conforta é saber q seu sumiço está diretamente ligado a sua felicidade... saudades enormes de tu..xero!
Ana.